quarta-feira, 6 de novembro de 2013

«Vai passear!»


O running começa a fazer parte do léxico e dos hábitos dos portugueses. Há uns tempos era o jogging. E, apetece perguntar, «não pode ser apenas um walking?

As virtudes do passeio, confirmadas pelos investigadores de cardiologia e, também, da neuropsicologia, há muito que são uma evidência para a medicina. Caminhar para arejar as ideias, desenferrujar os músculos e, agora que se aproxima o inverno, ajuda a combater os sedentarismo e é bom para fortalecer defesas. Uma prática simples, mas eficaz, ecológica e ‘no cost’. 


Ok, custa um bocado contrariar a inércia, agora que os dias são mais curtos e as variações climatéricas convidam ao conforto do lar e dos espaços fechados.
Certamente já lhe aconteceu «tropeçar» numa ideia para aquela questão que ficou o dia todo às voltas, na cabeça, na hora de ir desejar o lixo? Ou enquanto passeia o cão? O simples caminhar, estar em movimento sem que seja isso seja um objectivo (o «ter-de-fazer-exercício-entre-as-outras-mil-tarefas-do-dia»), pode ter um impacto subtil, mas surpreendente.

Alguns dos mais proeminentes filósofos e escritores, de Rosseau a Kant, passando por Jack Kerouac e Bruce Chatwin, testemunharam os benefícios da caminhada, desconhecidas que eram, então, as evidências científicas do «dar corda aos sapatinhos».  Além de estimular a coordenação motora e o hemisfério direito, a parte do cérebro associada à intuição e à criatividade, caminhar promove a capacidade de autofoco e o «grounding» (que significa enraizamento). Pés na terra e cabeça nas estrelas, portanto.
Se andar for, para si, uma actividade monótona, há sempre a possibilidade de repetir a experiência introduzindo alguns ingredientes estimulantes.

Sugestões:
Caminhar na companhia de alguém (escolher se prefere caminhar em silencio ou enquanto põe a conversa em dia é um ponto importante)

Escolher um percurso diferente (há quem prefira o paredão, junto ao mar, e quem prefira paisagens mais desafiadoras e com menos densidade de transeuntes e poupar-se ao «frete» da passadeira do ginásio)  

Optar por uma hora do dia em que não tenha de estar sempre «on» (ao telemóvel, a combinar detalhes da agenda laboral ou quando está perto da hora de algum compromisso inadiável);

Se a noite é um ambiente mais cativante (por estarem «arrumadas» as rotinas do dia, já estar sem vontade de ver os mesmo programas diante do sofá ou simplesmente porque a seguir vai dormir melhor, depois de reciclar a «tralha mental» a cada passada), óptimo. 

Se madrugar é o seu registo, nada como começar o dia a clarificar ideias em movimento, antes de mergulhar na «máquina de lavar» dos afazeres quotidianos.


quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Psicologia Quotidiana

«Não vemos as coisas como são: vemos as coisas como somos». 

Annais Nin ficou célebre por estar à frente do seu tempo. Mais do que o estilo inovador da sua escrita erótica, ou a intensidade que acompanhou sempre a sua vida amorosa, no meio literário parisiense (ilustrada na obra, Henri, June and Me, adaptada ao cinema), cativam-me as suas reflexões, o que ela filtrava das experiências quotidianas. Os dias contados à luz da qualidade (e riqueza) singular dessas experiências. A sua marca de água reside na espontaneidade, na intenção e nos afetos.

Nessa altura, ainda não existia a neurociência. A psicanálise sim,  e foi um veiculo precioso, afirmou ela, mais tarde, para o seu desenvolvimento pessoal e, consequentemente, para a criatividade e originalidade da sua escrita. 



De Freud até hoje, algumas coisas mudaram. O foco das investigações na área da psicologia e outras ciências deslocou-se do Inconsciente - que se enraizou e vulgarizou no senso comum - para a Consciência. Para o que se passa num momento presente (em '3D' ou '4G', poder-se-ia dizer, na gíria tecnológica). É um território com várias dimensões ou camadas (e em combinações neuronais quase infinitas), não confinada ao plano intrapsíquico. 

O passado, no sentido psicanalítico, atualiza-se no presente. E o que se passa no momento presente? Quanto dura um momento de experiência significativa, vivido com atenção focada e capaz de mudar o rumo de uma vida em escassos segundos? O que faz acontecer essas «explosões» químicas nos circuitos cerebrais? Como se processam os movimentos das interações (com um outro ou durante uma atividade)? Que leitura se vai fazendo delas, em tempo real? 

A investigação neste domínio (Experience Flutuaction Model) sugere que existe um estado de consciência descrito por experiência ótima (ou de 'fluxo'), caracterizado pela sintonia entre desejos, sentimentos e ação, na relação com o mundo.  Esse estado de consciência (gratificante e pleno) produz elevados níveis de bem-estar psicológico (Nakamura & Csikszentmihalyi, 2002) e pode ser alcançado pelo envolvimento e concentração no que se está a viver enquanto se interage, num dado momento e circunstância.

No meio de tantos gestos e rotinas, aparentemente insignificantes, faz-se um 'click'. Num instante, tudo muda. O significado da experiência subjetiva que emerge nos contextos naturais de vida é que vai determinar os pontos de viragem e transformação. As pesquisas centram-se agora nas flutuações da qualidade das experiências vividas, na tomada de consciência do que nos faz sentir vivos (presentes/conscientes) na relação com o mundo. Entrar em 'fluxo' e promovê-lo, numa perspetiva salutogénica.





mindfulyou.com

No seu tempo, Freud marcou a diferença e deixou um legado revolucionário: a ele se deve o foco no mundo mental e suas «prisões», que estão na base do sintoma. Não é por acaso que uma das suas obras mais icónicas seja A Psicopatologia da Vida Quotidiana. Hoje, a Bíblia das Perturbações Mentais (DSM) continua a ser revista (e a incluir sempre novas «disfunções», para as quais haverá uma nova molécula para prescrever), quase sem reservar espaço para aquilo que chamamos «normalidade»: o ser humano, nas suas singularidades e diversidade. 

Um novo paradigma começa a ganhar forma (ou massa crítica): se é em (na) relação que a «doença» (ou o sintoma) se forja, é em (na) relação que ela se pode «curar». Com outros protagonistas, ou em contextos relacionais mais user friendly (como acontece, por exemplo, num processo psicoterapêutico, mas também noutras formas de envolvimento significativas, onde têm lugar todas as formas de arte e de encontro, onde a empatia e o sentido de si têm lugar para existir).

As plataformas tecnológicas parecem ter um papel decisivo neste processo, por serem pontos de partida e criarem oportunidades (mesmo que temporárias ou experimentais) de contacto, descoberta e, eventualmente, de encontro, promotor de mudança (pela qualidade das experiências ótimas, que promovem «insight» e valem por si). 

Annais iria gostar de saber. 

Psicologia Quotidiana 
No Consultório Social da Visão Solidária, tem um espaço para colocar as suas perguntas (visaosolidaria@impresa.pte acompanhar as respostas. 


terça-feira, 30 de julho de 2013

Amor Virtual

Li, há dias, um artigo de um jornal canadiano acerca das novas formas de encontros. A sugestão do título: «Don´t date!» A proposta resume-se à ideia de que, com tantas formas de conectividade em tempo real, pessoas na faixa etária dos vintes e trintas parecem não estar a sair com uma pessoa, mas com várias. Cada uma desempenha um papel específico: amigo para ir a uma festa, colega de trabalho para fazer confidências e receber conselhos, ex-e-melhor amigo para partilhar questões que ele testemunhou e tem acompanhado nos últimos anos, amiga virtual com quem se trocam impressões ao final do dia, antes de dormir. 


E os sites de encontros? O sair-para-jantar-e-programa de cinema ou algo-mais? Não. Não estão em desuso: espelham a necessidade de contacto humano e de novas possibilidades de relacionamento. Porém, este registo afigura-se mais «tradicional» comparado com outros registos que a tecnologia permite, por exemplo, em «second screen experience» (o chat no tablet enquanto se vê um programa de tv, ou um filme ou música na net).

As investigações sobre o cérebro sugerem que a comunicação mediada pela tecnologia (em tempo real) alteram os circuitos cerebrais e a condicionar o modo como devemos comunicar. Abreviam-se palavras e ideias, nas mensagens e mails e os rituais e formalidades foram perdendo espaço e razão de ser. Tudo se torna mais fluido (ou «líquido» diria o sociólogo Zigmunt Bauman), mas igualmente mais racional, digital e formatado.




#newyorkcityphotography

Com esta «normalização» das interacções, há quem defenda – como o psicanalista Velleda C. Ceccoli (colunista da revista online Psychology Tomorrow) – que a erosão progressiva das interacções face-a-face, em registo presencial,  tende a reduzir a tolerância na resposta aos estímulos que recebemos. Consequência provável: «Alienar a disponibilidade para a ternura e a generosidade».

Ainda é cedo para avaliar esta trend: os estilos de abordagem do outro e de se dar a conhecer são mais diversificados que nunca, pela multiplicidade de plataformas. Em si mesmas, elas potenciam fluxos e oportunidades. Para lá das questões de negócio (dos «mercados de encontros»), este fenómeno apenas parece amplificar a nossa necessidade e desejo de ir ao encontro de paisagens humanas e, talvez, encontrar nelas um lugar especial, seja sonhado como «casa», ou «ponto de encontro». Estar ligado, mesmo que por tempo incerto ou fugaz, a alguém. 

segunda-feira, 8 de julho de 2013

Amor em Tempos de Cancro

O que deve saber sobre sexo durante o tratamento oncológico e pistas para redescobrir a sensualidade. 

Artigo realizado para a revista Visão (nº 1061) - Junho de 2013 

Veja o Video (Foto: José Carlos Carvalho)

quarta-feira, 22 de maio de 2013

Caminhar sem medo


Se tem entre 40 e 64 anos... 
...já deu consigo a pensar «A vida não é fácil». Ou «O que custa é saber viver».
Se a sua economia pessoal está «em crise», e dá por si com escassa liberdade de movimentos, talvez esteja na altura de fazer ajustes, nos planos pessoal e/ou familiar. 
Em vez de marcar passo - como no refrão da canção «Try walking in my shoes» - lembre-se que tem o direito de procurar o «sapato» que melhor lhe sirva no pé. Situar-se e aliviar apertos pode passar por:
  • Libertar-se de condicionamentos que funcionaram noutras alturas, mas que agora não se aplicam
  • Cultivar o equilíbrio entre gerações, sem esquecer o seu
  • Sintonizar os planos pessoal, profissional e social

Faça a sua própria checklist para facilitar a tomada de decisões que naturalmente surgem nesta etapa da vida. Aqui ficam alguns tópicos.


Economia familiar
- Crie limites - se não quer ver as suas poupanças a voar, defina a quota-parte da responsabilidade dos filhos crescidos na educação (bolsas, trabalhos part-time) e conte com o orçamento dos pais para as necessidades deles
- Conte com imprevistos - equacione a possibilidade de ter os descendentes de volta ao ninho, mesmo que temporariamente, e de ter reservas à mão para socorrer os seus pais, se ficarem dependentes de si por mais anos e com recursos escassos
- Não fuja das decisões difíceis - conheça os planos dos pais para o futuro e discuta-os com eles no seio familiar (seguros, depósitos, onde ficar no fim de vida, decisões legais, cuidados médicos)

Economia individual
- Cuide de si - defina o que é essencial para satisfazer necessidades pessoais, sem queimar o orçamento com os outros membros do clã e poupe para a sua própria reforma  
- Simplifique - aceite o que não pode mudar (condição física, mudanças de estatuto profissional, projetos que não deram certo e outros fatores não esperados)
- Crie a sua rede - mantenha-se em contacto com amigos e conhecidos, na sua comunidade ou virtualmente, para partilhar interesses e resolver problemas, sem isolar-se
- Cultive a gratidão - Tenha presente o que conseguiu construir e alcançar (iniciativas, trabalho, família) e aquilo que ainda tem (tempo, ideias, capacidades, afetos)


segunda-feira, 20 de maio de 2013

Só para Middle Agers


Sente-se «ensanduichado»? Sem espaço para a tal plenitude que sonhou ter, chegado a meio do caminho da vida? 3 níveis de dificuldade (ou de complexidade) a ter em conta, porque fazem parte do processo, nas condições atuais.

Desafio 1: Longevidade
O aumento da esperança de vida tornou possível coexistirem até cinco gerações. Uma conquista, sim. E novas questões. Em Portugal, a geração sanduíche representa 34% da população, com 3,6 milhões de pessoas que, entradas na meia-idade, se dividem entre as solicitações dos pais, que vivem mais tempo, e dos filhos, cuja autonomia tarda em chegar. E enfrentam, ao mesmo tempo, transformações pessoais (estado de saúde, mudanças laborais, separações, lutos).

Desafio 2: Sustentabilidade
O grande desafio desta etapa, hoje mais incerta do que era expectável no final do século XX, alterna entre sobreviver ao papel de âncora da família e voltar a depender dos mais velhos, em tempos de aperto. Dos cerca de milhão e meio de desempregados, apenas 370 mil recebem apoios mensais do Estado. O País tem quase 20% de idosos, 3% dos quais dependem dos descendentes (os que estão na meia idade). Estes e suportam as despesas com os filhos por mais tempo que o expectável, já que entre os 15 e os 24 anos, 70% dos jovens portugueses estão a cargo da família.

Desafio 3: Autonomia
Por força das circunstâncias, a ‘crise do ninho vazio’ – quando os filhos vão à sua vida – está a ser suplantada pela dos ninhos cheios ou, até, sobrelotados. Na prática, a casa de família pode ficar mais vazia, para no momento seguinte voltar a encher-se, ao ritmo das mudanças imprevistas, no mercado do trabalho e no mundo dos afetos. Apoiar-se nas ajudas dos idosos é algo que começa a ser cada vez mais normal entre os que estão «no meio da sanduíche». Segundo o último Censos, 10,3% dos que estão na meia-idade vivem a cargo de familiares, na sequência de divórcio, perda de casa ou do posto de trabalho. Ou em face de um diagnóstico de doença mental grave (Portugal ocupa o primeiro lugar na Europa com uma prevalência anual de 23%). Também os seniores, contando com uma velhice tranquila e uma pensão segura, se vêem confrontados com a perda de qualidade de vida, se tiverem de ser a base para um filho adulto, do grupo dos «entas», que deles depende.

A situação pode ser desesperada, mas não é para ser levada tão a sério. É possível criar pontos de equilíbrio, por mais instáveis que sejam. E ganhar algum distanciamento e espaço para existir.
(cont.)

Maduros, mas pouco seguros


Se tem entre 40 e 64 anos, este é o tempo para desfrutar a vida sem pedir licença e por mérito próprio. É o tempo de saborear metas alcançadas e aspirar, ainda, a realizar plenamente sonhos por cumprir. 
O meio da vida pode ser tudo isto, mas é também um desafio à capacidade de gerir tensões acrescidas. Na linha do tempo, os middle agers sentem-se hoje mais entrincheirados do que há duas décadas atrás, entre os seus filhos e os seus pais. 
A tão almejada autonomia tranquila parece ficar cada vez mais comprometida para a «geração sanduíche», como lhe chamou o psiquiatra americano Michael Zal, nos anos 1990. Entrar nos «entas» afigura-se um desafio mais complexo, que requer uma ginástica singular e criativa, a condizer com os tempos pós modernos, líquidos e, por vezes, com poucas pausas para respirar. O que fazer?

Um minuto com… o psiquiatra H. Michael Zal

Ganhou fama mundial com a obra A Geração Sanduíche: Entre Filhos Adolescentes e Pais Idosos (ed. Difusão Cultural). Tem 71 anos, exerce clínica privada há mais de 40, no Estado da Pensilvânia.

O que mudou desde que escreveu o livro?
Há mais tempo de vida. Procura-se ficar ativo pelo maior tempo possível, também pelo receio de ficar excluído ou à mercê de serviços assistenciais. O envelhecimento ainda não é socialmente respeitado.

Que dificuldades são mais comuns hoje, quando se chega ao meio da vida?
Os problemas de emprego, de proteção social e na saúde. Jovens e seniores estão a voltar para a casa de família quando ficam sem trabalho. Não é fácil, mas todos encaram a situação como transitória. As maiores dificuldades são emocionais: deixar sonhos não realizados e ver as metas atingidas como suficientes.

Como viver ensanduichado no panorama atual e tirar proveito disso?
Ter expectativas realistas. Respeitar o espaço próprio, sem esquecer o dos outros, que acontece muito em períodos críticos. Criar oportunidades de diversão, mesmo na adversidade, porque aproxima as pessoas e melhora a convivência entre gerações.

(cont.)

quarta-feira, 3 de abril de 2013

Os Segredos da Solidão III



A capacidade de estar só

"Finding Peace in Solitude" by Si2
Há muitas formas de experimentar o que o psicanalista Donald Winnicott descreveu como «a capacidade de estar sozinho». Segundo ele, o sentimento de autonomia resulta da possibilidade que a criança teve de estar só, na presença de alguém confiável (geralmente a mãe, apesar de poder ser o pai, um familiar próximo ou uma figura protetora). Assim se pode explicar porque é para uns mais fácil estar bem na sua própria companhia do que para outros, sem sentir-se ameaçado.

Numa perspectiva existencialista, todos nascemos e morremos sós. Ter isso em mente, mesmo numa sociedade globalizada, revela-se um convite estimulante, mais não seja para sair do frenesim comunicacional e das nossas próprias zonas de conforto. A Lonely Planet, por exemplo, também conhecida por bíblia dos solitários, nasceu do relato da longa viagem de lua-de-mel de Tony e Maureen Wheeler, um casal britânico que, há quatro décadas, se dispôs a percorrer a Europa e a Ásia de carro para acabar na Austrália.

A vontade de renunciar à pressão para manter-se em sintonia com o ritmo social dominante conquista cada vez mais adeptos. Os numerosos blogues com dicas para os viajantes solitários, os retiros em lugares remotos e alguns estilos de vida monástica parecem ser mais que uma moda: traduzem uma necessidade pessoal que vai sendo reconhecida e cultivada por uma imensa minoria.

Aprender a observar os outros, sem defesas excessivas- «tentar colocar-se nos seus sapatos» - e ir ao encontro deles, sem expetativas, pode ser tão gratificante como optar por periodos sabáticos, de tempos a tempos. Génios como Jesus, Buda, Newton e Beethoven tiveram momentos de criatividade em períodos de retiro ou de eremitagem.

A capacidade de estar só fermenta a autonomia e a liberdade de pensamento. O temperamento solitário é um estilo pessoal, mas também uma defesa/sintoma (no segundo caso, é vivido com desconforto). A solidão está associada ao sentimento de vazio e de isolamento (interno ou fruto de contingências: ausencia de amigos, falta de apoio familiar, relacionamentos superficiais ou que envolvem distância geográfica) 

Só... 


 Em doses qb (cada um deve descobrir a sua) (+)
·         Autodescoberta: possibilidade de pensar/sentir sem os filtros externos
·         Desfrute: saborear as etapas superadas sem o bulício do quotidiano
·         Serenidade: conectar-se com sentimento de tranquilidade e calma
·         Simplicidade: uma mente não agitada fica mais clara e liberta
·         Equilíbrio: disponibilidade para sintonizar-se com o mundo, sem medo

Em demasia (-)
·         Sintomas de mal-estar
·         Stresse (distúrbios na pressão arterial, sistema hormonal, etc)
·         Problemas imunitários
·         Alterações cognitivas e neurológicas
·         Isolamento, menos anos de vida



Os segredos da solidão II


A história de Emily White


Uma advogada sem filhos, a quem nunca faltaram amigos e interesses, passava a maior parte do tempo por sua conta. O problema era a permanente sensação de desligamento face ao que estava à sua volta, sobretudo a partir dos 30 anos. Emily investigou o assunto e escreveu um livro onde revela estudos, testemunhos e relatos na primeira pessoa. Depois de experimentar fármacos contra a ansiedade e depressão, fórmulas herbais, uma linha telefónica de aconselhamento e hipnose, a autora continuava sem perceber a razão de tanto desconforto. 
Recorreu à psicoterapia. Nas sessões, tomou contacto com a raiva não expressa em criança, por sentir-se distante ao lado de um pai de fim-de-semana e de uma mãe sozinha, com a qual se veio a identificar em adulta. As as suas escolhas de vida - decidir não ter filhos, um trabalho solitário e uma morada remota, longe da família – espelhavam isso. Aos 40 anos, aventurou-se numa vida a dois. 

Após quatro anos mergulhada no problema, Emily avançou para as conclusões:

  1. «Quem se sente só raramente o admite, por sentir culpa ou vergonha [que só complicam].»
  2. «Na nossa cultura [tecnológica], passamos cada vez mais tempo sozinhos. Paradoxalmente, impele-nos para uma socialização ativa a todo o custo.»  
  3. «A relação amorosa não mudou o hábito de pensar-me como solitária (…) mas preciso do conforto que pode ser dado por outra pessoa.»
Considerações

Medir comportamentos é próprio do método experimental, usado na investigação psicológica. Um teste deve servir para refletir, mais do que classificar.

Fazer um teste é um convite à auto-análise. Para responder ao que mede a solidão, passei inevitavelmente por memorias de me ter sentido e me foi difícil admiti-lo.


Socializar é desejável, mas estar em grupo, numa base regular, exige uma boa dose de adaptação e dispêndio de energia. 

Alternar o convívio com períodos de isolamento e contemplação, se eles revigoram e inspiram, parece sensato (sobretudo antes de tomar decisões ou após um intenso período de trabalho!)

(cont.)

segunda-feira, 25 de março de 2013

Os segredos da solidão I


«Mais vale só.» Depende. Do que é, para cada um, estar «mal acompanhado». Se a «má companhia» for alguém com quem se tem uma relação doentia e tóxica, o melhor é fechar contas e dar crédito a necessidades próprias. Quando a sensação de ficar entregue a si mesmo, numa espécie de desamparo sem causa óbvia, se afigura desarmante, a «má companhia» somos nós.

Como viver com os nossos «buracos negros»?
A era da hiperconetividade e do telefone smart tem vantagens preciosas, mas não substitui um abraço, um jantar caseiro ou uma «escapadinha a dois», como prometem os sites de descontos em voga. A possibilidades de interagir sem fronteiras pode valer muito pouco se, mesmo numa sala cheia, tudo parecer distante, superficial e vazio de sentido. 
O Estrangeiro (título do Nobel da Literatura  Albert Camus (1957) é o outro e somos nós. No lançamento da obra póstuma do escritor e pensador, a partir de manuscritos não editados (The First Man), a filha de Camus revelou ao Nouvel Observateur como foi sentir-se invisível, quando ela era ainda criança: «Encontrei o meu pai sentado na sala, a cabeça entre as mãos. Disse-lhe: ‘Estás triste papá?’ Ele levantou a cabeça, olhou-me nos olhos e respondeu: ‘Não, estou só.’ Isso revoltou-me tanto! Eu não sabia como dizer-lhe que comigo ele não podia estar só’». 

Brian Marki Fine Art - L'Étranger I - Oil on canvas 

Quem é o estrangeiro? O estranho em cada um de nós? Quando abri o livro Solidão (Pergaminho, 16,60€), de Emily White, fui surpreendida, na primeira página, com um teste. Respondi aos 20 itens da Escala de Solidão da Universidade da Califórnia. Antes de mergulhar nas 317 páginas que tinha em mãos, segui as pistas apresentadas nas referências finais, googlei e obtive uma interpretação mais completa do resultado: «Você é uma pessoa solitária e provavelmente sabe disso. Se não lhe causa incómodo, é possível que esteja apenas a racionalizar o problema, a inventar desculpas para não enfrentá-lo.» 

(cont.)

segunda-feira, 18 de março de 2013

Hello darkness, my old friend

No ano em que eu nasci, 1964, The Sound of Silence era a música do momento. O clássico de folk-rock da dupla americana Simon & Garfunkel, sobre as dificuldades de comunicação entre humanos, foi escrito ao ritmo de uma linha por dia, numa altura em que a América recuperava do choque do assassinato de John F. Kennedy (1963).

«A canção era sobre a angústia pós-adolescente», explicou Paul Simon à imprensa, «mas por conter uma boa dose de verdade, fez com que muita gente se identificasse com ela». Não apenas nessa altura, mas noutras, como após o trágico evento de 11/9. 

Hoje, o descontentamento (desencanto? perplexidade?) globalizou-se e permanece atual. A melodia apela à emergência da uma qualquer luz, no meio da escuridão. E, talvez, ao desejo de um outro amanhã. Ao fim desse silêncio «ensurdecedor» nos tempos sombrios que atravessam, velhos e novos, ávidos de sonho. 
Aqui ficam alguns excertos.

Ver clip: O som do silêncio

«Olá escuridão, minha velha amiga
Vim conversar contigo de novo
(…)
Em sonhos agitados, caminhei só
Nas ruas estreitas da calçada
Sob a luz dos candeeiros de rua
(…)
E na luz nua eu vi
Dez mil pessoas, talvez mais
(…)
Pessoas a escreverem canções
Que as vozes jamais partilham
E ninguém ousa
Perturbar o som do silêncio

"Tolos", disse eu, "vocês não sabem
Silêncio é como um cancro que cresce
Ouçam as palavras que eu vos posso ensinar
Aceitem os braços para que vos possa alcançar"
Mas as minhas palavras caíam como gotas silenciosas de chuva
E ecoaram num poço do silêncio
(…)

domingo, 10 de março de 2013

Psicoterapia a nu


Na hora de procurar ajuda, saiba o que deve esperar de um profissional. A sua saúde mental agradece


4 «regras de ouro»:

Certificar-se das credenciais do terapeuta
Procurar referências do mesmo 
Indagar sobre o método usado e regras de funcionamento
Descubra se sente segurança e empatia na sessão


www.123rf.com

O que pode acontecer quando se tem a impressão de haver um clima erótico, numa sessão de terapia? A gestão da proximidade entre pacientes e profissionais de saúde mental é um tema atual que raramente se discute fora do âmbito da classe e da comunidade científica. As questões éticas agitaram a praça pública quando um prestigiado psicólogo americano, então colunista da Psychology Today, escreveu um texto polémico. Em Trabalhador sexual ou terapeuta?, Stanley Siegel defendeu que os objetivos e técnicas dos psicoterapeutas eram idênticos aos dos encontros com um(a) acompanhante: a experiência ocorria numa realidade suspensa e aí era possível existir empatia, compaixão, autoconhecimento e transformação pessoal, num tempo e espaço delimitados. A tese era para ser publicada na secção Intelligent Lust – a mais lida da revista – mas foi censurada e pode agora ser lida no novo projeto do ex colunista, ironicamente chamado Psychology Tomorrow. Para Stanley, a conjugação de conversa e sexo pode, em certos casos, solucionar problemas de autoestima, de ansiedade, inibição sexual e dificuldades em lidar com o corpo. Mas será mesmo assim? À luz dos códigos de ética internacionais, a resposta é não. 

A relação terapêutica obedece a um setting com regras próprias, em que o contacto físico não entra. A haver atração, ela deve ser descodificada nas consultas, em benefício do paciente, sem que o clínico aja como qualquer outra pessoa nessa situação (reforçando desse modo o problema que a pessoa traz). Ao agir as fantasias do paciente, o resultado pode ser contraproducente (ou não fosse por isso que as comédias acerca deste tema têm sucesso garantido, porque facilmente as reconhecemos, tanto quanto as tememos). Porém, a nível oficial, pouco ou nada se sabe acerca desta realidade escondida (o relatório que analisa as queixas dos utentes, da responsabilidade da Direção Geral de Saúde, não tem qualquer referência à área da saúde mental). Ténue é a linha que separa o próximo do demasiado próximo. A questão é saber como fazer quando isso sucede.
stanley-siegel.com

Maria (nome fictício) sofria de ansiedade social e tinha recorrido aos serviços de um terapeuta conhecido. Após três meses de sessões, deu por si a ficar impaciente pela sessão seguinte. «Chegava a ter consultas de quase duas horas, conversava ao telefone com ele e uma amiga alertou-me para o facto de isso ser, no mínimo, uma prática pouco ortodoxa.» No final de uma sessão, abordaram as dificuldades de relacionamento de Maria e ele despediu-se dela com um abraço e um beijo, acompanhado de carícias. «Fiquei desorientada, sem saber se devia ceder aos avanços, apesar de ter vontade.» Desde esse dia, nada voltou a ser como antes. «Comecei a sentir por ele tudo o que já havia experimentado em relacionamentos que acabaram mal.» Durante a pausa da terapia, para férias, Maria recorreu a outro profissional. Na terceira sessão conseguiu verbalizar o sucedido. Nunca mais voltou ao primeiro consultório nem fez queixa, «por sentir medo e culpa», que está a explorar agora, num novo contexto.
A confusão de fronteiras na dupla terapêutica tem feito correr muita tinta no meio das celebridades, cujas vidas são alvo do escrutínio público. Basta recuar um século para chegar à história de Sabina Spielrein, paciente de Carl Jung. O discípulo de Sigmund Freud sabia que estava a explorar terreno minado ao envolver-se sexualmente com Sabina, que veio a ser, igualmente, uma psicanalista famosa. O caso gerou polémica por ter sido violado o código de conduta, com consequências para os três visados, como o ilustrou, de resto, o cineasta Cronenberg, ao ficcionar a história, em Um Método Perigoso. Casos em que terapeutas menos avisados se renderam à sedução dos seus pacientes têm sido mais comuns do que o recomendável, pondo a nu as fragilidades humanas. Nos anos 30, a escritora Anais Nin, amiga e amante do seu psicanalista Otto Rank - outro dissidente de Freud – viria a descrever esse envolvimento num dos seus diários, admitindo publicamente o impacto que a experiência teve na sua vida, marcada pela relação incestuosa que tivera com o pai. Nos anos 60, foi a vez de Marilyn Monroe e Ralph Greenson. O médico abriu-lhe as portas da sua casa e apresentou-a a familiares e amigos, por entender que assim podia reparar os danos sofridos pela rapariga cuja infância fora passada em orfanatos e famílias de acolhimento. A morte da atriz, por overdose de barbitúricos, representou a travessia no deserto para Greenson. Um ano antes de morrer, redigiu o ensaio Problemas em psicoterapia com ricos e famosos, onde refletiu sobre os riscos de sucumbir ao poder sedutor dos pacientes, tomando como exemplo o caso «de uma actriz de 34 anos, bonita e famosa, com personalidade limite, aditiva e paranóide». 

Quase um século depois, a neutralidade do terapeuta é ponto assente, bem como a capacidade de lidar com a transferência (sentimentos e crenças do paciente que ele projeta no terapeuta). 
O clínico e o paciente não são amigos, não almoçam juntos e, excepto numa situação de emergência, não se contactam entre sessões. 

http://adangerousmethod-themovie.com

Para a psiquiatra Ângela Pires, o profissional deve preservar a sua vida privada e manter-se firme e seguro para poder acompanhar a pessoa em tudo o que ela sente, da zanga e fúria à paixão. Aceitar a pessoa que ali está implica, no ambiente clínico, dominar a arte de gerir a distância. «Nem tão próximo que perca o foco, nem tão distante que não se deixe tocar pelo paciente.» Quanto a eventuais abusos, comentados em surdina, por parte de quem ajuda e de quem procura essa ajuda, a médica adverte: «O envolvimento erótico do terapeuta é muito semelhante ao incesto e traz danos, na medida em pressupõe que ele age por vaidade, questões de ego ou inexperiência, em vez de traduzir um desejo de intimidade do paciente, com bom senso e sem rejeitá-lo.»
O que fazer, então, perante uma situação menos ética? David Neto, da Ordem dos Psicólogos, recomenda: «Confrontar o profissional e esclarecer eventuais equívocos e, se for uma queixa com fundamento, apresentá-la à entidade que o tutela.»

Glen Gabbard é um psiquiatra americano, famoso por avaliar profissionais de ajuda (padres, médicos e psicoterapeutas) acusados de transgredir limites no exercício de funções. Numa entrevista recente ao site do British Psychoanalytic Council, o diretor da clínica Baylor, no estado do Texas, afirmou que todos os clínicos são vulneráveis a passar das marcas, mas apenas os que têm distúrbios da personalidade o fazem. E cita alguns exemplos de transgressões, com caráter perverso: «Tratam as pessoas como suas amigas, outras vezes convencem-nas de que estão apaixonadas por eles.» Valendo-se da sua autoridade, criam falsas esperanças em quem as procura para apoio especializado e exploram-nas, quando as deviam acompanhar e proteger. Em certos casos, essa faceta revela-se, paradoxalmente, uma virtude. Glen, também autor do bestseller Psychiatry and the Cinema, explica porquê: «O público adora o tipo de pessoa que faz algo radical para salvar o paciente, isso torna-o sedutor.»
Consciente disso, uma jovem americana lançou, há dois anos, o conceito Terapia a Nu. Apesar de não ser reconhecida no meio clínico, Sara White insiste que o seu método – despir-se online, enquanto o paciente vai dando curso livre as suas fantasias – está para o século XXI como a psicanálise o foi para o século XX. A jovem argumenta, no site, que os homens estão assustados com as mulheres, que tomaram de assalto o meio clínico, e que o meio virtual se lhes afigura apetecível para se exporem, sem toque nem inibições, mas com sexo à mistura. Poderá ser terapêutico para alguns, mas não é psicoterapia.

Texto publicado em Revista Máxima (Dez.2012)

O Meu Corpo e Eu


Encontrar significado para sintomas pouco comuns é um exercício de descoberta pessoal, que a ciência só parcialmente explica e a sociedade nem sempre aceita

Duas mulheres famosas, uma romancista e outra activista, entenderam ter uma palavra a dizer sobre o que se passava no estranho mundo dos seus corpos, aos quais «aconteciam coisas». Dessas, que as ciências médicas diagnosticam e tratam, e de outras, menos óbvias. É humano: o sintoma tem sempre razão. Descobri-la é outra história. A ser bem contada, pode acabar nas páginas de um livro.    
«Em Maio de 2006, sob um céu azul e sem nuvens, ali estava eu [Minnesota, EUA] para discursar sobre o meu pai, que morrera dois anos antes. Assim que abri a boca, comecei a tremer violentamente. Tremi nesse dia e tremi outra vez, noutros dias. Eu sou a mulher que treme.» Assim termina o ensaio The Shaking Woman or A History of My Nerves (2010), da autoria da escritora americana Siri Hustved, companheira do também escritor Paul Auster. A experiência, aos 51 anos, abalou-a profundamente. Tudo correra bem na elegia fúnebre: «Quando chegou a hora, li o que tinha preparado, numa voz forte, sem lágrimas.» Agora, diante de uma plateia de convidados, no lugar onde o pai tinha sido professor universitário durante quatro décadas, também conseguiu ler o discurso até ao fim, mas incapaz de controlar o seu corpo a tremer, da zona do pescoço para baixo.
Durante dois anos, Siri dedicou-se, com afinco, à procura da explicação para o «estranho» que habitava nela, qual «duplo», que podia manifestar-se à revelia da sua vontade, do seu Eu. Procurou ajuda na medicina convencional e complementou a sua investigação com memórias e episódios biográficos marcantes.

 A sensação de «ser outra» não era nova. A escritora começou por aprender a falar norueguês, apesar de ter nascido em solo americano. Uma de quatro irmãs, cresceu na companhia de um irmão imaginário, chamado Erik, que viria a ter o papel de psicanalista, num romance seu. Com frequência, tinha episódios de enxaqueca, ataques febris e perturbações sensoriais. Em adulta, foi-lhe diagnosticada neuropatia periférica, comum em pacientes com enxaqueca. Siri convivia relativamente bem com tudo isto. Até entrar em cena «A Mulher que treme».
A hipótese de luto tardio estava fora de questão. Freud poderia diagnosticar histeria (hoje, perturbação de conversão). O psiquiatra equacionou uma desordem de pânico. O neurologista quis despistar a possibilidade de epilepsia. 
http://sirihustvedt.net/

57 anos, ascendência norueguesa
Doutorada em literatura inglesa, nos Estados Unidos
Romancista e ensaísta
Traduzida em 29 línguas, recebeu vários prémios
Casada com o escritor Paul Auster, a viver em Nova Iorque
Insight: «Ser doente depende do temperamento, história pessoal e cultura em que vivemos» 



As ressonâncias magnéticas que não acusaram nada. A solução para manter os malditos «ataques» sob controlo era tomar medicamentos beta-bloqueantes. A certa altura, a autora confessa ao leitor: «Fui seguida por uma psicanalista e uma neurologista, mas nenhuma me disse quem era a mulher que treme.»
Siri foi à procura dela. Frequentou, até, um grupo de neuropsicanálise e conheceu as pesquisas sobre neurónios-espelho, responsáveis pela empatia (sentir-se na pele do outro). Aí estaria, segundo ela, a chave do enigma. Na última semana de vida do pai, Siri pensava nele, antes de dormir, quando foi invadida pela sensação física de alguém com enfisema pulmonar. «Como ele, senti a proximidade da morte.» O pai autorizara que ela usasse memórias suas no livro As Tristezas de um Americano (2008). A filha chegou a teclar cartas dele, combatente na II Guerra, para interiorizar fisicamente o sentimento dos flashbacks descritos.
O envolvimento emocional intenso com a escrita paterna pode ter estado na origem do «ataque». Quando ela se preparava para dar voz às palavras, deu-lhes corpo. «A história da mulher que treme é a narrativa de um evento que se repete e vai ganhando, ao longo do tempo, múltiplos sentidos, consoante a perspectiva.» Podemos não controlar o que nos acontece, mas faz toda a diferença ligar pontas soltas do «Eu» nessa história, e conta-la, de forma articulada, a um «Tu». 

Um dia, a mente deixa de responder ao que se passa no corpo e tudo parece perdido. Ou ganho, depois de passar pela experiência, com uma visão renovada. Para a activista política Naomi Wolf, autora do best seller O Mito da Beleza, nos anos 90, o «click» deu-se aos 46 anos. «Enquanto fazia amor, e nos momentos seguintes, deixei de sentir-me física e emocionalmente conectada e, em vez disso, sentia uma dormência interna». Este foi o ponto de partida para o seu novo livro, Vagina: A Cultural History. Num artigo ao jornal britânico The Sunday Times, Naomi afirmou que o seu problema foi uma oportunidade para ganhar uma nova consciência sexual, com a ajuda clínica, mas não só.   
A jornada começou no gabinete de ginecologia. Os testes ditaram o diagnóstico: doença degenerativa na lombar, pela compressão vertebral nos pontos L6 e S1. A lesão, originada por uma queda, duas décadas antes, nunca tinha dado dores, até bloquear parte do nervo pélvico (que envia impulsos ao cérebro, activando a química do prazer e do amor). Daí a dormência e falta daquela euforia pós-sexo. A cirurgia era parte da solução. Na consulta com o especialista Jeffrey Cole, Naomi ficou a conhecer algo novo: «Cada mulher tem um nervo pélvico diferente; algumas ramificações centram-se mais na vagina, outras no clítoris ou, ainda, no períneo, o que explica as diferenças individuais da resposta sexual feminina.»
Sem estar à espera, Naomi encontrou a resposta para o clássico drama da insatisfação feminina. Se as diferenças nas terminações nervosas pélvicas são puramente físicas, deixa de haver discussão sobre orgasmos de primeira e de segunda. O mistério está na anatomia e circuitos neurais de cada mulher. Isto é algo que devem gostar de saber as 30% de mulheres ocidentais que referem não ter prazer com o sexo. «Em vez de julgar-se ou culpar-se por algo não funcionar consigo, explore as suas ligações neurais e deixe-se guiar por elas.»

O prazer de fazer amor e o sentimento de êxtase 2-em-1, voltaram. Depois do alinhamento das vértebras, Naomi recuperou, em alguns meses, a sensibilidade que julgava perdida. Durante esse tempo, quis aprofundar o assunto e frequentou os cursos de Mike Lousada, um terapeuta de sexo tântrico. «Os tântricos abordam a sexualidade feminina com respeito, como se fosse sagrada», revelou à imprensa. Na sua obra, disserta sobre o potencial do órgão sexual feminino, uma porta de entrada para o autoconhecimento e a comunhão mística.  
As críticas não se fizeram esperar. Numa edição do The Guardian, por exemplo, ironizava-se com a mulher em crise da meia-idade que usava a ciência a gosto, para legitimar questões de ego.
naomiwolf.org

50 anos, ascendência americana e romena
Formou-se em Artes e Literatura Inglesa, nos Estados unidos
Autora, jornalista e defensora da liderança e libertação sexual das mulheres
Foi consultora de Al Gore e Bill Clinton nas suas campanhas presidenciais 
Vive com o produtor de cinema Avram Ludwig
Insight: «As mulheres americanas têm sido tão controladas por ideais e estereótipos como por limitações materiais»


Naomi Wolf, a mulher que personificou o movimento feminista de terceira geração, nunca escondeu as suas posições acerca do corpo, da vida privada e das questões de consciência social, por mais controversas que fossem. O gigante Apple também não escondeu que, em pleno século XXI, censura palavras como a que titula o livro. Na sinopse pode ler-se: «V****a. Um trabalho surpreendente que muda radicalmente a forma como pensamos acerca da v****a». Ironicamente, o texto termina com a autora a interrogar «porque é que, mesmo num mundo cada vez mais sexualizado, a v****a é vista como uma ameaça, ou se pensa nela como algo ligeiramente vergonhoso».
Nas redes sociais, alguns dos comentários destacaram o paradoxo: se é de um termo médico que estamos a falar, como querem, afinal, que lhe chamemos?  

Texto publicado na Revista Máxima (Fev 2013)




sábado, 2 de março de 2013

Viver com Atenção Plena

Se está preso na lógica do «é para ontem, é urgente, só paro quando acabar», este texto pode interessar-lhe


«Devagar que tenho pressa» é uma máxima que pode revelar-se de grande utilidade para alcançar alguma paz de espírito e manter um estado emocional equilibrado na correria dos dias. Saber parar e escutar o corpo a mente é algo que vamos desaprendendo, mas podemos restaurar, com um pouco de treino e persistência.
Ganhar tempo e calma, aliviar a dor e estados ansiosos e até, melhorar a produtividade, são alguns dos benefícios da Atenção Plena (mindfulness). 

Imagem extraida do site rellacafa.com/

Trata-se de um método desenvolvido pelo investigador americano Jon Kabat-Zinn, da escola médica da Universidade de Massachusetts, na segunda metade do século passado. Praticante de ioga e meditação budista, o também fundador da Clínica de Redução do Stress retirou a componente religiosa e ideológica da prática e tornou-a popular. Hoje é usada em várias clínicas médicas da Europa e dos Estados Unidos, no tratamento da dor crónica e como complemento do tratamento de problemas de saúde.

Usada por técnicos de saúde e psicólogos como complemento de tratamentos e psicoterapias, esta prática, que se deseja regular, é divulgada em Portugal no Espaço Budadharma, em Lisboa, através de cursos de curta duração. O objetivo é recentrar-se e conquistar de um espaço interno de aceitação e desprendimento. Aprender a focar a atenção, sem medo, permite tomar contacto com aspetos subjetivos, sem ficar refém deles e ganhar um distanciamento saudável face ao que se passa dentro e fora de nós. Ganha-se um espaço de liberdade interna, o que se traduz, gradualmente, numa menor vulnerabilidade ao sofrimento e na diminuição da frequência de estados mentais dispersos, flutuações de humor e pensamentos automáticos indesejados, que geram desgaste e fadiga.

«A dor é inevitável, o sofrimento é opcional»
Segundo Jon Kabat-Zinn, a dor tem três componentes:
Física: a dimensão sensorial e corporal
Emocional: os sentimentos envolvidos (raiva, frustração)
Cognitiva: o significado atribuído (pensamentos, expetativas negativas)


Dar atenção à dor altera a relação com ela, pois permite: 

. Aprender a viver com a dimensão sensorial 
. Libertar-se das componentes emocional e cognitiva
. Melhorar a qualidade de vida

Aplicações
Mindfulness é reconhecido como prática de promoção da saúde e revela-se útil nas seguintes situações:
. Gestão da dor
. Redução do desconforto
. Depressão moderada
. Problemas gastrointestinais
. Hipertensão
. Estados ansiosos
. Perturbações do sono
. Dependências

Saber mais em Revista Máxima


segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

A tua cara não me é estranha



E se um dia se cruzar na rua com alguém que lhe sugere familiaridade, isso não é «amor à primeira vista» nem falta de memória. É um sinal dos tempos
Os sistemas operacionais de internet estão a revolucionar a maneira como nos cruzamos com desconhecidos. Nos últimos cinco anos, começou a ser regra interagir virtualmente com pessoas com quem nunca estivemos face a face. Seja por motivos profissionais ou outros, é hoje comum estabelecer contacto sem qualquer registo físico. As redes sociais e os social media estão a implantar-se enquanto novo contexto de comunicação e torna-se difícil, ou praticamente impossível, memorizar com precisão onde, quando e como foram trocadas impressões com alguém.

en.wikisource.org - drawings for beginners

A falta ou o excesso de pistas de referência – contextuais, não-verbais e sensoriais –, aliada à velocidade de processamento das informações partilhadas, altera radicalmente a forma como se armazenam os conteúdos na memória. Funcionar digitalmente enquanto ser analógico, tem que se lhe diga. Sem «auxiliares de memória», ou «cábulas» virtuais incorporadas no cérebro, a comunicação mediada pelas tecnologias portáteis acaba por ser agregada de forma dispersa, fragmentada e volátil.

O paradigma «multi» - multi usos, multitasking, multiplataforma… - pode ser fascinante e desafiador. As pesquisas efetuadas até agora têm resultados controversos. Ora sugerem uma forte associação entre o uso das redes sociais e o sentimento de pertença - os amigos, mesmo que virtuais, fomentam o que hoje se designa por capital social – ora destacam a emergência de emoções negativas, seja pela inveja desencadeada pelo aparente e constante bem-estar dos protagonistas, «em grande estilo», ou pelo efeito de comparação – e competição - social (cada post ou like evoca a mensagem «o meu é maior que o teu»). 


Seja como for, a torrente de mensagens – umas mais personalizadas que outras – deixa sempre uma marca. O grau em que ela se inscreve nos circuitos neuronais e na memória afectiva de cada um parece decisivo na forma como se associa um rosto aos conteúdos (imagens, texto, voz) que dele se apreendem intuitivamente.


www.looah.com 

Alguém com quem falámos (presencialmente, via mail ou por Instant Messaging), alguém que apenas vimos (num evento social, na imprensa, na TV ou nas redes sociais) ou simplesmente ouvimos (ao telefone, na rádio ou num vídeo partilhado). Alguém que fixámos de forma mais imprecisa ainda, por ser em modo «second screen experience» (uma presença fugaz, embora possa ser marcante, num tablet, ipad ou smartphone, enquanto se está simultaneamente «ligado» num dos registos anteriores).  

Com todas estas dimensões em movimento, não há como saber, em pormenor, se aquela cara é de alguém com quem estivemos, de facto, testemunhámos apenas ou, pura e simplesmente é fruto de um sonho, da nossa imaginação… ou da confusão de circuitos desarrumados que não há maneira de colocar em modo «rewind».  


domingo, 17 de fevereiro de 2013

Entrevista


Mariela Michelena, Psicanalista e escritora

'As mulheres repetem erros vezes sem conta'

O fim de um amor obriga-nos sempre a fazer o luto e a atravessar um deserto, para que possamos seguir em frente, diz a autora de É Possível Esquecer-te, num aviso, sobretudo, ao género feminino

Publicado na revista Visão em 21 de Janeiro de 2013 (excertos)



A incapacidade de alguém de se desligar de um mau relacionamento é iliteracia emocional?
Sim. Porque se ignoram necessidades próprias e se repetem, vezes sem conta, os mesmos erros, sem nunca se encontrar o que se procura. É, sobretudo, o caso das mulheres, para quem a vida afetiva é mais importante, embora haja alguns homens que também passam por isso.

Quem deixa tem o fardo aliviado?
Não é bem assim, porque carrega nos ombros a responsabilidade em relação ao passado e ao futuro. A vantagem é levar o luto meio feito, por ter vivido antes o sentimento de culpa, o sofrimento de mal-estar, numa relação defunta, a decisão de concretizar o funeral.

Mas há formas, menos óbvias, de colocar o ponto final...
O registo "esquece-me tu que eu não consigo" é frequente nos homens, por terem um vocabulário afetivo mais pobre e lhes custar pôr as cartas na mesa, lidar com as discussões. Isto significa trabalho a dobrar para elas, chamar as coisas pelos nomes. "As coisas não estão bem, assim não pode ser", dizem, servindo-lhes, a eles, o pretexto: "Já que é isso que queres, vou-me embora."

Que implicações resultam de uma pessoa desaparecer da vida da outra, sem aviso prévio?
Numa situação difícil, as pessoas dão a cara. Discutem e fazem acusações, na tentativa de entender o que está a passar-se. Evaporar-se sem aviso é bastante cruel e narcisista, porque se fica mais presente do que nunca na vida mental do outro - pela ausência -, forçando-o a colocar na história as palavras jamais ditas por ambos.

O que pode impedir um luto amoroso? 
A negação. "Não pode ser", "dou-te um tempo". Incapaz de aceitar um não como resposta, o abandonado insiste em manter tudo na mesma. A gota nunca transborda do copo. É uma espera inútil, que adia o luto.

Quanto tempo é preciso para mudar padrões doentios de relacionamento?
Não se faz em dois meses. A experiência de psicanalista diz-me que é preciso mais tempo. O inconsciente existe e há muitas coisas que não controlamos. Quem me procura já passou por outros tipos de terapias e não encontrou o que buscava. Refiro-me à compreensão do sofrimento humano, do que nos acontece.

Discorda das terapias rápidas?
Vendem mais a ideia de que todos podemos e conseguimos pensar positivo. É como pintar uma casa de branco e pôr almofadas novas, quando a canalização continua por arranjar. Há muita gente que não se sente identificada com este discurso e que só encontra consolo em algo mais profundo

O que diz a quem a procura, após tudo o que experimentou ter falhado?
É necessário passar pelo túnel para ver a luz. Se o medo for muito, há que pedir a mão a um terapeuta. Este meu livro pretende ser essa mão que acompanha a passagem pelo luto.

Misturar o tom académico e o "registo pop" de autoajuda já lhe trouxe dissabores?
É um erro comum os psicanalistas viverem fechados no seu mundo e falarem numa linguagem cifrada. A Psicanálise descreve a vida. Freud falava do quotidiano e escrevia livros de divulgação. Se fosse vivo, estaria no Facebook e teria um programa de TV.

Ler mais em: Revista Visão

sábado, 16 de fevereiro de 2013

Histórias que curam


O que fazer quando se recebe um diagnóstico «mau»? Como se lida com os efeitos devastadores de uma doença crónica? Que sentido dar a uma faceta pessoal não assumida?  Toda a experiência é válida, assim se consiga encontrar o fio à meada e tecer os contornos de uma jornada feita na primeira pessoa.

O rumo dado aos eventos parte, em última análise, da sua visão do real. Não raras vezes, é aí que se descobrem forças que se julgavam apenas dos outros, e permitem trilhar caminhos inexplorados, antes, durante e após processos difíceis.


Estudos realizados na universidade americana de Chicago demonstraram que as narrativas pessoais têm um forte potencial terapêutico. Aliadas à medicina, cada vez mais especializada, elas constituem um complemento essencial nos processos de recuperação e da gestão de doenças e, mesmo em fases terminais, têm o potencial de restituir a dignidade e a dimensão humana, subjectiva, que deve estar sempre presente nos processos de natureza física.

Sabia que…

… um «diário de bordo» é uma opção frequentemente usada para superar fases difíceis?

  • Não importa o grau de conhecimento que se tem do assunto, nem sequer as competências de escrita.
  • Registar no papel (ou no tablet) tudo o que se passa dentro e fora do corpo, num período de mudança, tem um poder catártico.
  • Contar o que vai dentro de si, sem julgamento prévio, confere a sensação de controlo, pelo menos em parte, durante um período de incerteza. 
  • Elaborar, ou dar um sentido mais profundo ao que está a passar pode traduzir-se em serenidade. Há quem prefira fazê-lo a solo, mas igualmente numa psicoterapia ou num grupo (presencial ou virtual). 
·      Vergonha, inadequação, medo e desespero são sentimentos que surgem – ou se intensificam – em momentos de sofrimento e de dor. Eles podem ser minimizados pela escrita guiada ou pela partilha de experiências, seja com um profissional de ajuda ou em grupos com problemas similares. Outra das vantagens da partilha é sentir-se acompanhado, ouvido e ter ao alcance a possibilidade de expandir, de forma criativa, a visão de si e das opções que se afiguram pertinentes numa dada etapa de vida.

O uso das narrativas biográficas tem-se revelado muito útil na formação de médicos e outros profissionais de saúde, especialmente os que trabalham em equipa e em ambientes tecnologicamente avançados (em que a componente subjectiva tende a ficar em segundo plano pela especialização e falta de tempo, dificultando a comunicação de diagnósticos, a adesão aos tratamentos e a colaboração do doente no processo clínico). Em Portugal já existem iniciativas deste género, como as conferências realizadas na Universidade de Lisboa (Centro de Estudos Anglísticos).

Viver para contar
O que as histórias pessoais podem fazer por si (e por quem as testemunha)
  • Fornecem informação útil: apreendemos melhor o que ouvimos directamente do que aquilo que lemos num folheto, que é desprovido do elemento emocional
  • Conferem apoio: saber que não se é o único a passar por uma situação complicada revela-se uma ajuda preciosa (num processo de decisão, num tratamento, na reabilitação ou no luto)
  • Estimulam a mudança de atitude: comprovar, in loco, como alguém foi capaz de deixar de fumar, de perder peso, superar uma quimioterapia ou um trauma, é uma fonte motivadora
  • Facilitam decisões: a comunicação entre prestadores de cuidados clínicos e de quem deles precisa estabelece-se numa base mais realista e com um maior grau de confiança
Ver mais em: Revista Máxima


  -  

domingo, 10 de fevereiro de 2013

«Curtir» v.s. «Namorar»




E se alguém com quem teve um encontro íntimo não olhar para si no dia seguinte ou, pior que isso, fazer de conta que nunca se viram, quando se voltarem a cruzar? Se foi esse o acordo explícito que estabeleceram antes, nada de novo. A questão do sexo casual – vantagens e desvantagens – compete a cada um. O estilo de vida escolhido, no que toca à vida privada, é uma decisão individual.

De acordo com um estudo realizado pelo sociólogo Machado Pais, a liberdade sexual é assumida pela maioria dos adolescentes e jovens, mas os dilemas associados a essa realidade estão igualmente na ordem do dia. Estudos realizados nos Estados Unidos, e citados na revista digital The Atlantic, destacam o crescimento do número de estudantes do sexo feminino nas universidades e a generalização da «cultura do engate», leia-se, sexo descomprometido, na população universitária. Porém, a «norma» de saltar de parceiro em parceiro pode não estar a ser tão promissora e satisfatória como aparenta. Especialmente para as raparigas ditas sexualmente emancipadas. Apenas 2% delas se revê neste registo, ao passo que a maioria prefere a velha e tradicional «cultura do namoro». A somar a esta evidência, pesquisas levadas a cabo na universidade da Florida sugerem que a fatura do amor livre se traduz, mais tarde, em perturbações alimentares, mais consumo de substâncias e tendências depressivas, comparativamente a jovens que optam por relações de médio e longo termo.

 A conclusão parece óbvia: entre a ausência de vínculos e o casamento há uma terceira via. A intimidade não oficializada, através de rituais que dispensam a aliança no dedo. Em suma, parece que as mulheres do século XXI têm o que as suas mães e avós nunca sonharam, mas vêem.se presas num equívoco: afinal, que poder é o delas, em matéria de decisão? Se o sexo casual – ou sem rosto – é a regra, qual o lugar para a satisfação das necessidades emocionais? Numa época em que obras como As Cinquenta Sombras de Gray se elevam à categoria de best sellers globais – em que o protagonista rico e dominador mesmeriza a jovem inexperiente e a leva a submeter-se aos seus caprichos, de acordo com um contrato firmado como na época do Marquis de Sade – qual a margem de liberdade para querer mais, além de um vínculo secreto, puramente físico e destituído de afetos?

O poder feminino não vai além da questão do desempenho e da técnica? Este parece ser o tabu da sociedade hiper-realista e digital, em que todos podem ter acesso a todos, mas ninguém parece poder ficar mais próximo de alguém. Não se trata de saber de quem é a culpa ou se o romantismo perdeu glamour. A propósito, os filmes que cativam têm uma boa dose de suspense e o encanto deles reside em esperar para ver até onde levam. Não será também assim, fora da tela? É esse o poder da liberdade: exercê-lo, sem ceder à corrente dominante.